18 dezembro 2007

Fecha-se uma porta...



Quando entráste, entráste em grande! Limitáste-te a empurrar a porta principal que eu já tinha deixado entreaberta para ti.
Nem sequer bateste. Entráste com esse teu jeito imponente, esse teu ar de quem acabava de preencher todo o espaço...
Depois percorreste todas as divisões. Demoráste-te em cada uma delas. Foste ficando...
Para mim eras uma lufada de ar fresco, um presente... uma novidade acabadinha de chegar!
Conheceste cada recanto e tudo parecia ser já teu também.
Mas não era, talvez porque nunca quisemos que fosse.
Por isso ,um dia saíste e quase nem dei conta da tua saída. A tua entrada fora triunfal, é certo! Mas depois de um efémera mas intensa estadia, saíste discretamente pelos fundos.
A porta grande já era demasiado para ti.
Tens esse dom de chegar de modo triunfal, iluminar o espaço, tornar tudo deslumbrante. Tanto, que até parecia que à tua saída ias levar esse mundo sublime contigo.
Mas afinal, quando passáste a porta percebi que não tinha sido assim tão arrebatadora essa tua entrada.
A porta dos fundos fechou-se à tua passagem, silenciosamente... nem te disse adeus. Porque nessa altura, a porta grande e todas as janelas se abriam e tornavam o espaço luminoso como sempre foi.

1 comentários:

gicas disse...

Há pessoas que têm a capacidade de fazer de conta que irradiam todas as partículas do espaço por onde passam...se calhar até irradiam mesmo!Mas...quando se sai pela portas dos fundos e ela se fecha à nossa passagem é porque a beleza, o glamour , a intensidade da luz que irradiava essa sala...esses cantos e recantos, era falsa....não no momento, porque nesse talvez fosse verdadeira...mas para a eternidade era falsa!....
Fecha-se uma porta...abre-se uma janela, quem sabe, lá longe na diáspora....:)
love u

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Macys Printable Coupons